Este é um projecto surpreendente, pedagógico, divertido e que pretende ajudar as famílias portuguesas a saber tudo sobre alimentação e vida saudável, sem nunca esquecer que as refeições devem ser momentos de prazer. Esta plataforma de comunicação é composta não só por um programa de TV que dá todos os sábados, às 12h50, na RTP1, mas também por um blog (https://www. arodadaalimentacao.pt/) composto por variadíssimos artigos com dicas, entrevistas exclusivas e receitas tão deliciosas quanto saudáveis. Nesta época de regresso às aulas, damos a conhecer algumas dicas que o À Roda da Alimentação nos dá para as lancheiras dos mais novos.

A alimentação das crianças na escola é tão importante como a que fazem em casa. E o regresso às aulas pode ser a altura ideal para fazer algumas mudanças no menu. Aqui ficam quatro dicas úteis.

Com o fim das férias, começam as dúvidas sobre o que preparar para os lanches escolares dos mais pequenos. Depois de um período onde, normalmente, se permitem mais excessos, para muitos pais nem sempre é fácil reintroduzir a disciplina alimentar. Mas, com algumas dicas, essa tarefa pode tornar-se bem mais simples.

Segundo a Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), quase 30% das crianças em Portugal, entre os dois e os 10 anos, têm excesso de peso. É, por isso, fundamental controlar a alimentação infantil. As merendas diárias, que garantem os nutrientes necessários para o período de aulas, constituem um excelente ponto de partida, e esta altura de recomeços é a melhor desculpa para criar ou reforçar bons hábitos alimentares na vida dos nossos filhos.

A importância de dar o exemplo

As crianças assimilam os hábitos através da observação dos adultos. Nesta idade, o exemplo dos pais é uma das maiores referências para as suas preferências alimentares, pelo que as opções saudáveis devem começar por nós. Além disso, é importante ter consciência de que a rotina das refeições em família promove a adopção de uma dieta equilibrada. O convívio e um ambiente sem tensões à mesa também podem contribuir bastante para o desenvolvimento de uma boa relação com a comida.

O imprescindível planeamento

Por mais chato que possa parecer, a organização é uma ferramenta essencial para evitar soluções de última hora, que são, geralmente, menos boas para a saúde. Assim, vale a pena fazer um planeamento semanal sobre o que queremos incluir nas lancheiras. Esta é também uma forma de antecipar as compras e evitar aquele stresse desnecessário de final de dia.

Envolva as crianças

Sempre que possível, tente envolver os seus filhos na preparação da merenda. Façam juntos as escolhas e o planeamento, por exemplo, e ensine-os a distinguir quais são as melhores opções. O mesmo vale para a cozinha. Ao fim-de-semana, quando há mais tempo, peça-lhes ajuda na preparação das refeições. Participar na confecção é uma óptima forma de aprender a reconhecer os alimentos e a sua importância.

Variedade e diversidade

Para que sejam saudáveis e ao mesmo tempo apetecíveis, as merendas devem ser variadas. Além disso, é importante que se adaptem ao gosto de cada criança. Um lanche equilibrado deve conter uma fonte de hidratos de carbono, como cereais ou derivados, como o pão, tostas ou cereais pouco açucarados; lacticínios, que fornecem minerais como o cálcio, importante para os ossos e dentes; e fruta, se possível diferente todos os dias, para se aumentar o aporte de nutrientes. Consegue-se mais variedade ao incluir nos lanches alimentos como os hortícolas. Pode, por exemplo, juntar umas folhas de alface à tradicional sandes de queijo, ou ser mais original e colocar alguns palitos de cenoura ou uns quantos tomates cherry na lancheira dos mais novos. Frutos oleaginosos, como as avelãs, nozes ou amêndoas, também devem ser lembrados e podem ser incluídos nos lanches, desde que nas suas versões ao natural (sem sal ou açúcares adicionados).

Este artigo foi publicado na edição impressa da Kids Marketeer nº9.