cynthia_groth / Pixabay

Prepare a chegada do bebé, definindo todas as suas preferências/decisões para aquele que vai ser um momento único na vida: o nascimento do seu filho.

Em Portugal, os procedimentos e protocolos de parto estão bem estabelecidos e incluem informação essencial, como o historial clínico da mãe, a descrição do período de gestação e as condições em que a mulher grávida chega à maternidade. O que não invalida que a mulher grávida/casal faça o seu próprio plano de parto, onde defina o modo como deseja que corra essa experiência tão especial na sua vida.

Mas o que é, na prática, um plano de parto? Trata-se de um “documento elaborado pelo casal durante a gravidez que serve de eixo mediador na relação entre o casal e o serviço de saúde onde irá acontecer o nascimento do bebé”, tal como é explicado por documentação disponibilizada pela Ordem dos Enfermeiros. A mesma fonte acrescenta ainda que “as escolhas de nascimento e adaptação à parentalidade dos casais são o reflexo das expectativas individuais, dos valores familiares, da forma de estar na vida e da informação que obtêm sobre o processo do trabalho de parto e parto”.

Expressar preferências

Por outras palavras, este é um documento onde devem estar especificadas todas as preferências, no que diz respeito a decisões que dependam do casal. Assim, o plano deve incluir a identificação do acompanhante, as medidas de alívio de dor, tanto as que envolvem farmacologia (por exemplo epidural), como as não farmacológicas – bola de pilates, massagem, imersão em água, etc. –, recolha de células estaminais, a pessoa que realiza o corte do cordão umbilical e se deve existir contacto pele a pele e amamentação na primeira hora de vida exterior do bebé.

É fundamental que o plano seja flexível. O parto é uma experiência única na vida, mas é igualmente um momento em que não é possível controlar todas as variáveis envolvidas. Assim, as preferências devem ser expressas, mas deixando claro que existe sempre a possibilidade de seguir outras opções, se for necessário.

A flexibilidade é essencial

É igualmente crucial analisar o plano em conjunto com um profissional de saúde do local onde vai acontecer o parto. Desta forma, não só o profissional fica a par das expectativas do casal para o parto, como o próprio casal fica a saber se as suas preferências podem ser realizadas naquela instituição.

Por fim, o plano de parto é igualmente útil para o casal compreender melhor o trabalho de parto, o parto e o pós-parto, assim como para partilhar entre si e com o profissional de saúde as suas preocupações, medos e desejos. Pode consultar o site da Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto para ver exemplos de planos de parto para se inspirar.