A época balnear está à porta e no meio das oscilações de temperatura preparam-se as férias, com ou sem saídas do país, mas quase sempre com sol e água

No meio desta antecipação de um tempo aprazível, descontraído e sem preocupações, há, no entanto, alguns cuidados que as grávidas devem ter em conta, para que tudo corra bem, sem sobressaltos. As temperaturas sobem e proporcionam a utilização de roupa leve, fresca e confortável, mas mesmo assim a transpiração aumenta, sendo esta a parte mais visível da perda de água. Existem ainda as chamadas “perdas insensíveis”, que não mensuráveis, mas nem por isso pouco importantes, como a que perdemos com a respiração e a difusão da pele. É importante colmatar estas perdas de líquido, ingerindo pelo menos dois litros de água por dia, durante o Verão. Os norte-americanos recomendam de forma prática 10 copos por dia e, tendo em conta que com eles quase tudo é XL, acredito que os copos não terão apenas capacidade para 200 ml, pelo que o recomendado ultrapassará os dois litros. Em clima moderado o cálculo de necessidades diárias de água baseia-se na fórmula de 30 ml x kg de peso. É só fazer as contas e acrescentar- lhe um pouco mais nos dias de calor.

Nas férias também há regras

Férias não deverão implicar ausência completa de regras, pelo que é fundamental que a grávida se mantenha atenta à evolução do seu peso, resistindo à tentação de desfrutar dos gelados e sumos frescos. Poderá combinar com o obstetra qual o “grau de tolerância” para o aumento de peso nesta época, mas tendo presente que não poderá abusar de produtos açucarados, mascarados de “alívio para o calor”.

A exposição ao sol deverá ser controlada, respeitando o horário mais seguro e com um protector solar com índice de protecção sempre mais elevado do que usualmente fazia antes da gravidez e nunca inferior a 30. Este deve ser espalhado generosamente pelo corpo e renovado cada duas horas e após os banhos, mesmo que seja à prova de água. Preferencialmente no rosto utiliza-se um protector de índice ainda mais elevado, para prevenir as manchas hiperpigmentadas da grávida (pano) ou para, pelo menos, impedir que se acentuem. As horas mais seguras em termos de agressão dos raios ultravioletas são até às 11h00 e a partir das 16h00, pelo que a grávida deverá evitar actividades ao ar livre neste intervalo. Quanto à questão de expor ou não a barriga ou se devem antes usar fato-de- -banho, a escolha depende unicamente do conforto da grávida.

Para onde ir de férias?

Finalmente, coloca-se a questão da escolha dos destinos de férias das grávidas. Se há uns anos a questão da escolha prendia-se apenas com aspectos como a acessibilidade no local a cuidados de saúde, existência de água potável e cuidados dietéticos e pouco mais, desde 2016 e ainda com mais divulgação desde 2017, que se coloca também a existência de risco de infecção pelo Zika, vírus associado na grávida a alterações fetais como a microcefalia.

Porque este vírus utiliza como vector um tipo de mosquito, é relevante não só perceber se o país de escolha está incluído nas zonas de disseminação desses agentes, mas também se será a época climática favorecedora da sua multiplicação. Alguns sites ajudam a compreender essa situação, mas o ideal será recorrer a uma consulta do viajante antes de tomar a decisão de reservar as férias. Na partida não se esqueça de colocar na sua mala produtos básicos de acordo com o que tiver combinado com o obstetra, como produtos de reidratação ou de controlo do trânsito intestinal e para a febre.