Gustavo Fring / Pexels

O stress é um factor comum em todos os ambientes familiares e novas pesquisas sugerem agora que os pais que reprimem os sentimentos de stress na presença dos filhos estão exactamente a transmitir esse nível de ansiedade.

Num artigo publicado no Journal of Family Psychology, Sara Waters, professora assistente do departamento de desenvolvimento humano da Universidade de Washington, divulgou um estudo realizado pela sua equipa que se concentrou nas interacções entre pais e filhos entre os sete e 11 anos. Nesta pesquisa descobriram que as crianças apresentavam uma resposta física quando os pais tentavam esconder as suas emoções.

“Descobrimos que a resposta acontece sob a pele, o que indica o que acontece quando dissemos às crianças que está tudo bem e tal não é verdade. Não queremos enervá-las, mas podemos estar a fazer exactamente isso”, explica Sara Waters, autora principal do estudo.

A pesquisa envolveu 107 pais e filhos e, numa primeira fase, pediram a ambos que fizessem uma lista com os cinco principais tópicos de conflito entre si. De seguida, separaram os pais dos filhos e pediram a cada pai que realizasse uma actividade stressante (por exemplo, falar em público) para activar o sistema fisiológico de resposta ao stress.

Na segunda fase e já com os pais devidamente stressados, regressaram as crianças e foi pedido que as famílias conversassem sobre o tópico com a classificação mais alta da lista de conflitos. Foi pedido a metade dos pais que reprimissem as suas emoções durante a conversa.

Todas as interacções foram filmadas e pontuadas por espectadores que não sabiam quais os pais que estavam a reprimir as emoções. Pais e os filhos tinham também sensores no corpo para avaliar as respostas fisiológicas. Concluíram então que no grupo que reprimiu emoções, pais e filhos eram menos afectuosos e comprometidos um com o outro.

Eles descobriram que, para os grupos que suprimiam emoções, pais e filhos eram menos afectuosos e comprometidos um com o outro.

“Os pais distraem-se ao tentar esconder o nível de stress e as crianças mudam rapidamente o seu comportamento para ficarem alinhadas com os pais”, explicou Sara Waters. Portanto, “ao dizer que está tudo bem ao seu filho, está a tornar-se menos disponível. Descobrimos que as crianças percebem e retribuem, criando-se uma dinâmica”.

Neste estudo foi também descoberto que mães e pais são diferentes. Os filhos cujas mães reprimiram emoções mostravam mais sinais de stress, o mesmo não acontecia com os pais.

“Pensamos que os pais não transmitem tanto stress porque estes tendem a reprimir as suas emoções perante os filhos com mais frequência do que a mãe”, explica Sara Waters. “As crianças estão habituadas a que o pai diga que está tudo bem, mesmo quando não está. Mas não é comum para as crianças verem a mãe reprimir emoções e reagiram a isso”.