Виктория Бородинова / Pixabay

Passando mais tempo em casa, é natural que as rotinas familiares tenham sofrido algumas alterações, por exemplo, no que diz respeito ao tempo de ecrã permitido às crianças. Possivelmente, nos dias de hoje ultrapassa as recomendações dos especialistas que aconselham que as crianças com idades entre os dois e cinco anos tenham contacto com a tecnologia apenas uma hora por dia.

Em primeiro lugar, há que tranquilizar os pais. É perfeitamente natural e compreensível que actualmente os progenitores permitam que os filhos dediquem um pouco mais de tempo à televisão, computador, tablets e smartphones. Até porque, nesta altura, a maioria dos pais tenta conciliar teletrabalho, ensino à distância e a natural frustração e aborrecimento dos mais pequenos por não puderem realizar actividades fora de casa.

Mais: um uso correcto da tecnologia, devidamente orientado pelos progenitores tem benefícios, nomeadamente o desenvolvimento das capacidades motoras pelo manuseamento dos comandos e ecrã e um melhoramento das funções cognitivas quando consomem conteúdos pedagógicos e educativos.

Claro que, ainda que com alguma dose reforçada de permissão, o uso da tecnologia deve continuar a ser alvo de algumas regras e, por essa razão, deixamos-lhe aqui um conjunto de dicas que vão promover uma boa utilização da tecnologia, por parte das crianças:

  1. Seleccione conteúdo educacional de qualidade

O tempo de ecrã pode beneficiar as crianças com mais de dois anos se o conteúdo for educacional e vocacionado para estimular o desenvolvimento cognitivo da criança. Alguns programas infantis falam directamente para a criança, o que é útil para que esta aprenda novas palavras e sons.

  1. Faça uso da tecnologia com o seu filho

Existem indícios de que quando as crianças e os progenitores utilizam em conjunto a tecnologia, os benefícios são maiores. Alguns estudos mostraram que os pais ao direccionarem a atenção dos filhos para certos conteúdos e ao falar sobre os conteúdos visualizados, reforçam a aprendizagem; especialmente se conseguirem relacionar esses conteúdos com as actividades diárias da criança.

  1. Use o tempo de ecrã para reforçar as relações humanas

Reserve algum do tempo complementar de ecrã para videochamadas com familiares e amigos. A socialização e conexão humana são cruciais no desenvolvimento das crianças e a tecnologia pode ser usada para manter o contacto com o restante núcleo familiar e social e reforçar os laços existentes. Por outro lado, a tecnologia pode também permitir que os mais novos mantenham contacto com o seu círculo de amiguinhos. Porque não sugerir às crianças que façam actividades didácticas, como por exemplo jogos de linguagem, durante uma videochamada com os seus amigos?

  1. Tempo de ecrã e tempo longe do ecrã

Tolerância e alguma permissão no uso de tecnologia não significa um completo abandono das regras até agora estipuladas. Junte a família toda e, em conjunto, decidam um novo horário para actividades com tecnologia e actividades onde esta não entra. Elaborem um plano, onde estejam definidos os tempos dedicados à escola/aprendizagem, a actividades lúdicas em família sem tecnologia e ao novo tempo de ecrã autorizado, onde devem estar contempladas as videochamadas com amigos e familiares. É muito importante que, mesmo com um novo horário tecnológico mais tolerante, se mantenha a regra de nos últimos 60 minutos antes de ir para a cama não ser permitida a utilização de qualquer dispositivo electrónico portátil. Recorde-se que quebrar esta regra pode afectar a qualidade e duração do sono das crianças.

  1. Dê o exemplo

A pandemia Covid-19 levou-nos a todos a procurar mais informação no mundo digital e a passarmos mais tempo em frente a ecrãs electrónicos. Agora chegou o momento de dosear o consumo do mundo digital, até porque tal acção tem impacto no consumo tecnológico infantil. Lembre-se de que algum do seu tempo já estará reservado para os dispositivos electrónicos devido ao teletrabalho. Mas aqui a regra para os adultos é a mesma que a das crianças: tolerância e permissão, mas com peso e medida, uma vez que uma utilização regrada e equilibrada da tecnologia apresenta benefícios.

Sofremos profundas alterações nas nossas rotinas diárias. Mas, em conjunto, toda a família pode descobrir novas rotinas que não só ocupem o tempo e a mente, como proporcionem muita diversão. E porque não usufruir agora da grande vantagem da tecnologia que é manter-nos todos ligados e em contacto?

Por Mónica Marques