Os brinquedos não só divertem as crianças como têm um papel crucial na estimulação da sua curiosidade e criatividade, o que é crucial num momento em que recebem menos estímulos do mundo exterior. Também desenvolvem capacidades motoras e intelectuais e, por isso, são um dos elementos que mais contribuem para o crescimento. Um brinquedo considerado adequado é aquele que desafia a criança, estando um pequeno passo acima do seu grau de maturidade para representar um desafio e não originar um sentimento de frustração.

Com os brinquedos didácticos é possível estimular e desenvolver a coordenação motora, a concentração, memória, capacidade de expressão, raciocínio lógico e a observação, pelo menos. Por sua vez, os jogos didácticos têm a capacidade de desenvolver a socialização, assim como promovem a interactividade. Consequentemente, trabalham a timidez, estimulam a comunicação e despertam os mais novos para a necessidade de colaboração humana.

Uma vez que a ideia é ajudar a crescer, existem brinquedos apropriados para cada faixa etária. Por exemplo, nos primeiros anos de vida, é fundamental que os brinquedos apelem aos cinco sentidos, pois assim a criança pode experienciar o mundo através da audição, tacto, olfacto e visão. É, por isso, recomendável brinquedos com muita cor, com texturas diferenciadas e que emitam sons ligeiros. Por haver a tendência de a criança levar tudo à boca, os brinquedos não devem ter pontas afiadas ou peças pequenas.

A partir dos dois anos, as crianças gostam de brinquedos que envolvam movimento. Nesta altura, são também aconselháveis os blocos de construção para estímulo da criatividade e para o desenvolvimento da orientação espacial e da capacidade de resolução de problemas. Para a faixa etária dos três aos quatro anos as casinhas e os carros são perfeitos, uma vez que começam a querer imitar a vida dos adultos. Os blocos de construção continuam a ser uma boa aposta para o desenvolvimento de capacidades cognitivas.

Com cinco e seis anos, os brinquedos devem incentivar o conhecimento, raciocínio, memória, coordenação motora e a imaginação. São recomendáveis jogos com regras simples, por serem fundamentais para o desenvolvimento da socialização e da colaboração humana. Este tipo de jogos implica que as crianças interajam e aprendam o que é a cedência, ao mesmo tempo que estimulam o desenvolvimento do raciocínio e da personalidade. Lápis de cera e plasticina são também acessórios que nesta idade vão permitir que a criança veja aonde a sua criatividade e imaginação a podem levar.

A partir do momento em que entram na escola, toda a diversão, seja na forma de brinquedos ou actividades, deve estimular o raciocínio lógico e a imaginação. É igualmente recomendável promover a prática de exercício físico e actividades em grupo para estimular a aprendizagem social. Através da diversão, as crianças aprendem não só a conhecer o mundo, como a conhecerem-se a si próprias e o papel dos brinquedos neste processo é crucial.